Sobre o fotógrafo

Gilmar Queiroz


Natural do Estado do Espírito Santo. As duas primeiras décadas vivi entre a mata atlântica e o mar, mais apaixonado pela mata atlântica que pelo mar. As últimas duas décadas vivo no cerrado mais próximo da Amazônia. Araguaína - no estado do Tocantins - é um relevo praticamente plano.

Meu primeiro contando com a fotografia foi em 1975 quando ganhei uma pequena máquina da Kodak, mas somente em 1999 adquiri uma máquina mais sofisticada e passei a me interessar e aprofundar no tema com leituras, visitas a “sites” específicos e workshop.

Não fotografo seres humanos, mas gosto de fotografar sua arquitetura. No entanto fotografar a natureza é minha diversão, mas a macrofotografia é meu maior prazer. Dar a oportunidade de nós, humanos, podermos visualizar o que nossos olhos “nús” não conseguem é gratificante.

Nem sempre minha fotografia é bonita, nem sempre segue os padrões estéticos. Às vezes quero mostrar o “lado feio”, e este lado quase sempre está relacionado com a atividade humana.

A macrofotografia pode nos mostrar o lado belíssimo da “criação” e nos estimular a sermos éticos e preservacionistas. As fotografias de natureza podem e devem servir para mostrar as belezas deste planeta e também como forma de denúncia à sua destruição.

Minhas fotografias normalmente passam por um processo de tratamento digital realçando cores e nitidez, mas nunca são montagens (exceto as panorâmicas que são montagens de várias fotografias individuais).

Espero que gostem da visita.

 

Descubra quanto de Mata Atlântica existe em você!

© 2019 Gilmar Queiroz Fotografias.
Alguns direitos reservados.